Acesso à informação

blog-diplomacia-publica-fundo-escuro

04/mar/2016: Encontro dos Diretores-Gerais do G-4, em Nova Delhi

30/out/2015: Realização do debate anual no plenário da AGNU para discutir reforma do CSNU. 59 delegações fizeram uso da palavra, dentre as quais, 21 defenderam a expansão do Conselho nas duas categorias de membros.

23/out/2015: Em carta dirigida a todos os Estados-membros, o Presidente da 70ª Assembleia Geral, Mogens Lykketoft, anuncia a designação do Representante Permanente de Luxemburgo, Embaixadora Sylvie Lucas, como nova Facilitadora das Negociações Intergovernamentais. Na missiva, o PGA afirma estar seguro de que os próximos passos do processo negociador tomarão por base os avanços logrados ao longo da 69ª AGNU, em particular as posições e propostas dos Estados-membros refletidas no texto e seus anexos circulados pelo Presidente da 69ª Sessão da AGNU, Sam Kutesa, datada de 31 de julho de 2015.

26/set/2015: Cúpula de Chefes de Estado e Governo do G-4 à margem do Debate Geral da 70ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. O evento sinalizou a grande prioridade dada pelos quatro Governos à reforma do CSNU e seu compromisso em continuar a trabalhar conjuntamente em prol de seu objetivo comum. Os líderes expressaram determinação em redobrar seus esforços para assegurar resultados concretos durante a 70ª Sessão da Assembleia Geral.

14/set/2015: Decisão 69/560, proposta pelo Presidente da 69ª AGNU, é adotada por consenso. Prevê a continuação das Negociações Intergovernamentais sobre reforma do Conselho de Segurança no plenário informal da Assembleia Geral em sua 70ª sessão e estabelece que o texto elaborado pelo Facilitador Courtnay Rattray (Jamaica) seja usado como base para as negociações.

31/jul/2015: Presidente da 69ª Sessão da Assembleia Geral, Sam Kutesa, circula texto produzido pelo Facilitador, como produto das contribuições enviadas pelos Estados-membros e das discussões no âmbito das Negociações Intergovernamentais durante a 69a AGNU, em "processo consultivo, transparente e inclusivo", e sublinha que o documento constitui "base sólida" que permite aos Estados-Membros se engajarem em negociações baseadas em texto.

10/jul/2015: Encontro dos Diretores-Gerais do G-4, em Brasília

21-22/mai/2015: É realizado, em Roma, o encontro "Pathways for a more Inclusive and Accountable Security Council", organizado pelo Governo italiano, para prover uma plataforma de troca informal de visões sobre os princípios que subjazem a reforma do CSNU.

26-27/fev/2015: Encontro dos Diretores-Gerais do G-4, em Berlim.

12/nov/2014: Realização do debate anual no plenário da AGNU para discutir reforma do CSNU. 48 delegações fizeram uso da palavra.

 10-11/nov/2014: É realizado, na Haia, o seminário "Setting a Progressive United Nations Peace and Security Agenda: Searching for New Narratives", organizado pela Chancelaria dos Países Baixos e pelos institutos de pesquisa Igarapé (RJ) e Clingendael (Haia). 

10/nov/2014: Em carta dirigida a todos os Estados-membros, o Presidente da 69ª Assembleia Geral, Sam Kutesa, anuncia a designação do Representante Permanente da Jamaica, Embaixador Courtenay Rattray, como novo Facilitador das Negociações Intergovernamentais.

25/set/2014: Reunião Ministerial do G-4 à margem do Debate Geral da 69ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Os Ministros reiteraram sua visão comum de um Conselho de Segurança reformado e expressaram preocupação com o fato de as discussões sobre o tema permanecerem travadas 70 anos após a fundação das Nações Unidas, 50 anos após a primeira e única vez que o Conselho de Segurança foi reformado, quase 15 anos após a Cúpula do Milênio e 10 anos após a Cúpula Mundial de 2005 – quando os líderes mundiais clamaram por uma reforma urgente do CSNU. Por conseguinte, convidaram seus homólogos a engajarem-se em todos os esforços possíveis para alcançar, até setembro de 2015, resultados concretos nesse processo que já se arrasta por mais de 20 anos.

12/fev/2014: É realizado, em Nova Délhi, o seminário "Reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas: Perspectivas e Prospectos", organizado pela Chancelaria indiana e pelo "Instituto de Estudos e Análise de Defesa" (IDSA). Participaram do evento representantes da academia, da sociedade civil e da mídia indianas, integrantes do corpo diplomático, além dos Diretores-Gerais do G-4. Em seguimento ao seminário "Atuais Desafios à Paz e à Segurança Internacionais: a Necessidade de Reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas" (Praia do Forte, 26/4/2013), o evento serviu para discutir a necessidade de maior envolvimento da opinião pública nos debates sobre reforma do CSNU e a importância de que haja avanços concretos no processo de reforma até o 70º aniversário das Nações Unidas.

10/dez/2013: Presidente da 68ª Sessão da Assembleia Geral, John Ashe, circula a todos os Estados-membros, por meio do Facilitador, texto elaborado pelo Grupo Consultivo, sugerindo que sirva de guia para preparação de programa de trabalho para as reuniões subsequentes das Negociações Intergovernamentais.

7-8/nov/2013: Realização do debate anual no plenário da AGNU para discutir reforma do CSNU. 90 delegações fizeram uso da palavra, número consideravelmente superior ao verificado em 2012 (48). Dentre esses países, 56 defenderam a expansão do Conselho nas duas categorias de membros.

22/out/2013: Em carta dirigida a todos os Estados-membros, o Presidente da Assembleia Geral, John Ashe, anuncia a recondução do Embaixador afegão Zahir Tanin ao cargo de Facilitador das Negociações Intergovernamentais e a criação de um Grupo Consultivo. O Grupo é integrado pelos Representantes Permanentes de Brasil, Bélgica, Liechtenstein, Papua Nova Guiné, San Marino e Serra Leoa e tem a função de produzir base para as Negociações Intergovernamentais, que reflita as ideias levantadas ao longo das negociações e também identifique as opções disponíveis.

Set/2013: Debate Geral da 68ª sessão da Assembleia Geral – 82 Estados-membros mencionaram o tema da reforma da ONU. 72 fizeram menção específica à reforma do Conselho de Segurança. Nesse contexto, Chile, Portugal, Reino Unido e Timor-Leste fizeram referência específica ao Brasil. Muitas delegações aludiram à crise síria como evidência da incapacidade do Conselho de Segurança para desempenhar suas funções e responsabilidades para a preservação da paz e da segurança internacionais.

26/set/2013: Reunião Ministerial do G-4 à margem do Debate Geral da 68ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas. Os Ministros reiteraram sua visão comum de um Conselho de Segurança reformado e ressaltaram a necessidade de intensificar os esforços para traduzir o acordo existente em resultados concretos até 2015 (70 anos da ONU e 10 anos da Cúpula Mundial de 2005). Sublinharam a importância de reforçar o diálogo com outros grupos, em especial com os países africanos e os da CARICOM, e reconheceram a necessidade de maior envolvimento da sociedade civil nas discussões sobre o tema. Os Ministros reiteraram, ainda, dado o apoio majoritário dos Estados membros a uma expansão do Conselho de Segurança nas duas categorias de membros, permanentes e não-permanentes, esse deveria ser um parâmetro crucial no processo de negociação.

29/ago/2013: Decisão oral 67/561, proposta pelo Presidente da 67ª AGNU, é adotada por consenso e prevê a continuação das Negociações Intergovernamentais sobre reforma do Conselho de Segurança no plenário informal da Assembleia Geral em sua 68ª sessão.

25/jul/2013: Representante Permanente (RP) de Santa Lúcia, Embaixadora Menissa Rambally, é aclamada como nova porta-voz do L.69, em substituição ao RP de São Vicente e Granadinas, Embaixador Camilo Gonsalves, que concluiu suas funções em Nova York.

27/jun/2013: Segunda reunião da nona rodada de Negociações Intergovernamentais. É presidida pelo próprio PGA e não conta com a presença do Facilitador. A reunião foi convocada para tratar de "possíveis áreas de convergência entre diferentes modelos de reforma" (tema que havia sido proposto pelo Facilitador). Como no intercâmbio de abril, o encontro limita-se à repetição de posições conhecidas e a avaliações abrangentes sobre os próximos passos. A maior parte das delegações expressa apoio ao Facilitador.

2/mai/2013: É lançado oficialmente o grupo ACT (Accountability, Coherence and Transparency), coordenado pela Suíça e composto por outros 20 países de diferentes regiões (Arábia Saudita, Áustria, Chile, Costa Rica, Eslovênia, Estônia, Finlândia, Gabão, Hungria, Irlanda, Jordânia, Liechtenstein, Nova Zelândia, Noruega, Papua Nova Guiné, Peru, Portugal, Suécia, Tanzânia - como observador - e Uruguai), unidos pelo propósito de reformar os métodos de trabalho do CSNU. O grupo dará seguimento aos esforços do Small-5, que defendia o aprimoramento dos métodos de trabalho do órgão.

26/abr/2013: É realizado, na Praia do Forte, o seminário "Atuais Desafios à Paz e à Segurança Internacionais: a Necessidade de Reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas", que reuniu o Facilitador, representantes do G-4 e das Missões junto às Nações Unidas de Serra Leoa, África do Sul e Guatemala, além de representantes nacionais e estrangeiros de centros de pesquisa, universidades, sociedade civil e imprensa. O seminário serviu para conscientizar os participantes sobre a urgência e a inevitabilidade da reforma do CSNU. Na ocasião, discutiu-se a necessidade de maior envolvimento da opinião pública mundial nas discussões sobre o tema, bem como a indissociabilidade entre os temas da agenda de paz e segurança e a arquitetura de governança política global.

16/abr/2013: Após um hiato de oito meses, foi dado início à nona rodada de Negociações Intergovernamentais. Grande número de delegações solicita ao Facilitador que elabore documento negociador conciso e organize debate sobre os diferentes modelos de reforma. Várias delegações mencionam o marco que o ano de 2015 oferece para consolidar avanços no processo.

26/fev/2013: CARICOM circula, em bases restritas, em Nova York, ante-projeto de resolução (discutido na última Cúpula do bloco - Haiti, 18-19/02) com linguagem similar à de L.69-C10, para que seja objeto de consultas informais entre os membros do L.69, os países africanos e o Facilitador das Negociações Intergovernamentais, com vistas a posterior tabulação.

21 e 22/fev/2013: É realizada, em Freetown, reunião dos Chanceleres e dos Representantes Permanentes dos países do C-10 junto à ONU e à União Africana para discutir os últimos desdobramentos do processo de reforma, sobretudo o "projeto de resolução comum L.69-C-10". É a primeira vez que reunião desse tipo não é realizada às margens de uma Cúpula ordinária da UA.

19/fev/2013: Tema da reforma do CSNU é discutido na Cúpula da CARICOM. Comunicado Conjunto explicita os principais elementos defendidos pelos países caribenhos nos debates sobre reforma e agrega um apelo de urgência no encaminhamento da reforma.

4/fev/2013: Realizado, em Roma, Encontro Ministerial intitulado "Novas Abordagens para a Reforma do Conselho de Segurança", organizado por Itália e Espanha. Participação do Facilitador. 68 países estiveram representados (cerca de 20 em nível de Chanceler). França e Reino Unido manifestaram explicitamente apoio ao G-4 no evento.

27 e 28 de jan/2013: Cúpula da UA em Adis Abeba. Decisão adotada (relativa ao último Relatório do C-10) manifesta satisfação com o progresso alcançado com os esforços de diálogo e construção de alianças com outros grupos de interesses para obter apoio à posição africana comum, e incentiva a intensificação desses esforços.

11/jan/2013: Respostas à Carta do Facilitador: L69 informa sobre as negociações com o C10. G4, C10, UfC, China e Rússia reiteram seus posicionamentos anteriores. C10, UfC e China criticam o REV 3. G4 destaca apoio aos trabalhos do Facilitador, enfatiza a importância de que seja apresentado documento negociador conciso e apoia a realização de Evento de Alto Nível.

20/dez/2012: Em reunião de peritos do L.69 e do C-10, chega-se a acordo sobre "projeto de resolução comum", o qual aproxima a posição do L69 dos pontos defendidos pelo C-10.

17/dez/2012: Embaixador Camilo Gonsalves, RP de São Vicente e Granadinas, é escolhido como novo porta-voz do grupo L.69 (em sucessão ao Embaixador Raymond Wolfe, RP da Jamaica).

15/nov/2012: É realizado debate no plenário da AGNU para discutir reforma do CSNU. Fica evidente que persiste a divisão entre os Estados-membros sobre o futuro das Negociações Intergovernamentais, especialmente no que diz respeito ao papel que deve desempenhar o Facilitador. Na ocasião, os principais grupos negociadores seguiram reafirmando suas posições. Os países do G4 manifestaram seu apoio ao Facilitador e às recomendações que apresentou ao final da oitava rodada de Negociações Intergovernamentais. O debate foi caracterizado pela baixa participação dos países africanos.

9/nov/2012: Em carta dirigida a todos os Estados-membros, o PGA informa haver decidido reconduzir o Embaixador Zahir Tanin, Representante Permanente do Afeganistão, ao cargo de Facilitador das Negociações Intergovernamentais sobre reforma do CSNU. Na missiva, destaca a necessidade de transparência e previsibilidade na condução do processo.

Set/2012: Debate Geral da 67ª sessão da AGNU – 81 Estados-membros mencionam o tema da reforma do CSNU (21 a menos que em 2011), alguns deles apenas no contexto de alusões mais amplas à necessidade de reforma das Nações Unidas como um todo. Números parecem refletir percepção de que processo não avança. França refere-se ao G4. Além da França, Portugal refere-se especificamente ao Brasil. SGNU e PGA não mencionam o tema.

26/set/2012: Reunião Ministerial do UfC à margem do Debate Geral da 67ª sessão da AGNU (organizada pela Itália), com participação de Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Espanha, Indonésia, Malta, México, Paquistão, San Marino e Turquia. O grupo destacou a necessidade urgente de flexibilidade e espírito de compromisso por parte de todos os Estados membros. Expressou preocupação com que iniciativas fragmentadas ou parciais continuem impedindo o avanço do processo e acabem prejudicando as negociações. Reafirmou seu compromisso de encontrar uma solução exaustiva e negociada que possa contar com o maior apoio possível dos Estados membros.

25/set/2012: Reunião Ministerial do G4 à margem do Debate Geral da 67ª sessão da AGNU. Os Ministros coincidiram na avaliação de que o CSNU tem sido incapaz de lidar com as ameaças e desafios relacionados à paz e segurança internacional do mundo de hoje. Concordaram ser preciso intensificar esforços para mudar o status quo estabelecido há mais de 60 anos. Recordaram que a expansão em ambas as categorias conta com o apoio da maioria esmagadora dos Estados Membros da ONU e deve estar refletida em futuro processo negociador. Expressaram sua determinação de atuar para injetar maior dinamismo político no processo de reforma, inclusive com vistas à realização de encontro de alto nível sobre a reforma do CSNU, conforme recomendação do Facilitador Tanin. Reiterou-se apoio ainda à iniciativa brasileira de maior diálogo e envolvimento do grupo com a sociedade civil, centros de pesquisa, mídia e universidades sobre a reforma do CSNU ("outreach"). A reunião possibilitou reafirmar a unidade e o empenho do grupo com vistas a avançar o processo de reforma do CSNU.

13/set/2012: Decisão oral proposta pelo PGA da 66ª AGNU é adotada por consenso e determina a continuação, durante a próxima sessão da AGNU, das Negociações Intergovernamentais sobre reforma do CSNU. A Decisão apenas toma nota das recomendações do Facilitador. No entanto, não faz referência àquelas recomendações como base das futuras negociações.

25/jul/2012: Embaixador Zahir Tanin, RP do Afeganistão e Facilitador das negociações sobre reforma do CSNU, envia carta aos Estados-membros com avaliação da oitava rodada e sugestões de próximos passos. Dentre as propostas, destaca-se a atribuição ao Facilitador da responsabilidade de apresentar texto negociador "mais conciso". Convocação de reunião de "alto nível" também é mencionada.

Jul/2012: Ocorre a 19ª. Cúpula da União Africana (Adis Abeba). Decisão sobre o 11° Relatório da Comissão dos Dez sobre a Reforma do CSNU reitera os termos da Decisão da última Cúpula, reafirmando o forte compromisso do grupo com o Consenso de Ezulwini e reiterando a necessidade de unidade africana em todas as questões relativas ao processo de reforma do CSNU.

Jul/2012: Divulgado o 11º relatório do "Comitê dos Dez" (C-10) sobre o processo de reforma do CSNU: assinala que progresso no diálogo com o grupo L.69 depende de que esse grupo modifique formalmente sua posição e reconheça o direito de veto de futuros novos membros permanentes. Índia indica informalmente estar disposta a atender essa demanda.

2/jul/2012: Sessão de "balanço" da AGNU convocada pelo Facilitador das negociações sobre reforma do CSNU não logra resultados concretos: a maior parte dos Estados-membros limitam-se a reafirmar suas posições tradicionais. G-4, UfC, L.69 e C-10 defendem início de negociações substantivas. Grupo Africano indica disposição da negociar com L.69.

Mai/2012: Tabulação e posterior retirada do projeto de resolução do Small-5 sobre métodos de trabalho do CSNU.

10/abr/2012: Em reunião informal do plenário da AGNU para discutir proposta de reforma do CSNU apresentada pelo "Comitê dos 10" (grupo africano), 51 Estados-membros tomaram a palavra. 35 manifestaram apoio (países africanos, G-4, L.69, China) e 15 (sobretudo membros do UfC e 4 dos membros permanentes do CSNU) adotaram posição neutra. Apenas a Colômbia criticou a proposta.

Mar/2012: "Small 5" (S-5) apresenta nova versão do projeto de resolução sobre métodos de trabalho do CSNU.

13/mar/2012: Em reunião informal do plenário da AGNU para discutir proposta de reforma do CSNU apresentada pelo grupo L.69, 50 países tomaram a palavra. 31 manifestaram apoio, 16 (principalmente membros do UfC) criticaram a proposta e 3 adotaram posição neutra. Membros do UfC apontaram principalmente suposta "ambivalência" do L.69 e do G-4 no que respeita ao direito de veto.

Fev/2012: Ocorre a 18ª. Cúpula da União Africana (Adis Abeba). Decisão 409 sobre o 10° Relatório da Comissão dos Dez sobre a Reforma do CSNU: reafirma o Consenso de Ezulwini e a Declaração de Sirte, que contem a posição comum da África sobre a matéria, ressaltando a necessidade de coesão na posição africana e solicita ao C-10 que sejam intensificados os esforços de defesa e promoção da posição comum da África.

21/fev/2012: Em reunião informal do plenário da AGNU para discutir proposta de reforma do CSNU apresentada pelo grupo "Uniting for Consensus" (UfC), 44 países tomaram a palavra. 12 manifestaram-se a favor, 25 criticaram a proposta (especialmente a ideia de expansão do CSNU apenas na categoria de membros não-permanentes) e 7 adotaram posição neutra.

26/jan/2012: Em reunião informal do plenário da AGNU para discutir o projeto de resolução curto apresentado pelo G-4, 55 países tomaram a palavra. 31 manifestaram-se a favor da proposta, 17 criticaram seja a proposta, seja o tratamento seletivo dos temas, e 7 adotaram posição neutra. Dos P-5, Reino Unido e França apoiaram o projeto, EUA e Rússia adotaram posição neutra e a China criticou-o.

Dez/2011: Em carta aos Estados-membros, o Facilitador informa sobre o calendário de reuniões para a continuidade da oitava rodada de negociações no plenário informal da AGNU, no primeiro semestre de 2012. Tanin propõe que haja reuniões separadas para discutir cada uma das cinco comunicações recebidas sobre iniciativas/comentários que os Estados-membros apresentaram em 2011. Solicita que as delegações reajam às apresentações e indiquem se apoiam ou não os elementos propostos pelos diversos grupos

Set/2011: Ocorre a terceira reunião ministerial do G-4, conduzida pelo Brasil. São avaliados os resultados da iniciativa do projeto de resolução "curto". Reiterou-se o posicionamento do grupo em favor da continuidade do engajamento do grupo pela expansão do CSNU nas duas categorias, tendo por base o apoio majoritário dos Estados-membros.

18/jul/2011: México sedia evento informal sobre reforma do CSNU. Transparece a preocupação do UfC em evitar a consolidação de opinião majoritária em favor de uma expansão do Conselho nas duas categorias.

Jun/2011: G-4 faz entrega de carta ao PGA, em que se solicita que o expressivo apoio à expansão nas duas categorias, consubstanciado nos cerca de 80 apoios recebidos até aquele momento, fosse levado em consideração e servisse de base para as negociações. Na ocasião, G-4 ressalta que a campanha pelo projeto de resolução deverá continuar e que as opções existentes para o futuro permaneciam abertas.

12-13/mai/2011: Catar promove workshop sobre reforma do CSNU, presidida pelo RP afegão, Embaixador Zahir Tanin, e pelo Presidente da 66ª AGNU, Abdul Aziz al Nassir.

Mai/2011: Itália convoca reunião em Roma sobre a Reforma da Governança Global e Reforma do CSNU. Cerca de 120 delegações participam do evento, dos quais cerca de 30 se fizeram representar em nível de Chanceler. Na ocasião, o México apresentou nova proposta de reforma: 10 novos assentos não-permanentes, com mandatos de 5 anos e possibilidade de reeleição; e alteração dos atuais mandatos de assentos não-permanentes de dois para quatro anos.

2/mar/2011: Primeira reunião da sétima rodada das Negociações Intergovernamentais. As principais divergências entre os Estados-membros concentram-se em dois pontos: a possibilidade de que o novo texto revisto sirva de base para as negociações e o papel do Facilitador na condução do processo.

Fev/2011: Nova Ministerial do G-4, que teve como principal resultado a decisão de sondar Estados-membros a respeito de projeto de resolução da AGNU que propõe a expansão do CSNU nas categorias de membros permanentes e não-permanentes e o aprimoramento dos métodos de trabalho do Conselho (projeto de resolução “curto”).

Jan/2011: Facilitador circula nova versão revista do texto negociador (Rev 3). O documento atende parcialmente à solicitação do grupo "L.69", de que o Facilitador apresentasse texto conciso, que incluísse os principais elementos em negociação e as opções que gozam de maior apoio. De fato, o Rev3 incluiu sumário das propostas apresentadas pelos Estados-membros. O documento não indicou, contudo, o grau de apoio de cada proposta.

Dez/2010: Início da sexta rodada de Negociações Intergovernamentais. Durante a primeira reunião, o grupo L.69 e outros países solicitam ao Facilitador que elabore texto conciso com os principais elementos e opções em negociação. A iniciativa gera reação contrária do UfC, Rússia e China.

Nov/2010: Em discurso, ao parlamento indiano, o Presidente Obama declara apoio enfático dos Estados Unidos à entrada da Índia em um Conselho de Segurança expandido. Na ocasião, Obama afirmou que os Estados Unidos buscam uma ONU "eficiente, efetiva, com credibilidade e legítima" e que "nos anos à frente, eu anseio por um Conselho de Segurança das Nações Unidas reformado que inclua a Índia como membro permanente".

Set/2010: Chanceleres do G-4 reúnem-se à margem do Debate Geral da 65ª AGNU, pela primeira vez desde 2005.

Jun/2010: Início da quinta rodada de Negociações Intergovernamentais. Estados-membros acolhem texto negociador como base para as negociações.

Mai/2010: Tanin divulga primeira versão do texto negociador, de 29 páginas.

Mar/2010: Facilitador informa que atenderá solicitação formulada pelos 140 Estados-membros e solicita receber posições e propostas nos cinco temas-chaves, para elaboração de texto que servirá de base às negociações.

Dez/2009: Início da quarta rodada de Negociações Intergovernamentais. G-4 e África do Sul recolhem 140 assinaturas para carta, dirigida ao Facilitador, solicitando que este prepare texto base para as negociações.

Set/2009: Encerramento das atividades do OEWG e divulgação da nota presidencial A/63/960, que compila as cartas enviadas pelo facilitador durante as três primeiras rodadas de negociações.

Set/2009: Início da terceira rodada de Negociações Intergovernamentais.

Jul/2009: Presidentes Lula e Sarkozy publicam artigo em que pedem reforma abrangente do CSNU, que contemple “papel maior” para países em desenvolvimento como Brasil e Índia.

Jul/2009: França e Reino Unido reiteram apoio ao G-4, mas propõem reforma interina do CSNU pela qual, durante um período a determinar-se, Estados ocupariam assento com mandato de mais longa duração, em princípio, durante todo aquele período. Ao final deste, poderia ser decidida a conversão de tais assentos em vagas de membros permanentes.

Mai/2009: Início da segunda rodada de Negociações Intergovernamentais, com base em documento preparado pelo RP afegão Zahir Tanin, Facilitador das Negociações Intergovernamentais.

Abr/2009: Colômbia e Itália apresentam, pelo UfC, proposta que prevê possibilidade de permanência de membros não-permanentes por período mais longo do que os atuais dois anos mediante reeleição consecutiva ou criação de assentos de mais longa duração (3 a 5 anos) sem reeleição imediata.

Abr/2009: Apresentação de nova proposta do “Small 5” sobre reforma dos métodos de trabalho do CSNU.

Mar/2009: Apresentação de proposta franco-britânica de reforma interina do CSNU.

Fev/2009: Início da primeira rodada de Negociações Intergovernamentais sobre reforma do CSNU.

Fev/2009: Itália patrocina reunião em Roma sobre a reforma do CSNU.

Set/2008: AGNU adota Decisão 62/557, que determina o início das Negociações Intergovernamentais sobre reforma com base nas posições e propostas dos Estados-membros até 28/02/2009. Estabelece o plenário informal da AGNU como fórum negociador.

Set/2008: Eslovênia apresenta nova proposta de reforma do CSNU, contemplando a criação de novos assentos permanentes e uma nova categoria de assentos.

Ago/2008: Ocorre no CSNU, pela primeira vez desde 1994, debate aberto sobre reforma dos métodos de trabalho do Conselho.

Mar/2008: França e Reino Unido reiteram apoio ao G-4 e indicam abertura a reforma do CSNU pela qual, durante período a determinar-se, haveria assentos com mandatos renováveis de mais longa duração. Ao final daquele período, poderia ser decidida a conversão de tais assentos em vagas de membros permanentes.

Set/2007: Presidente Bush exprime apoio a reforma do CSNU que inclua, como membros permanentes, o Japão e “outros países”.

Set/2007: Pela sua decisão 61/561, a AGNU autoriza a realização de Negociações Intergovernamentais sobre a reforma do CSN.

Abr/2007: O primeiro relatório dos facilitadores do tema na 61ª AGNU indica haver disposição dos Estados-membros de discutir reforma "intermediária" e identifica as possíveis modalidades de tal reforma.

Mar/2007: Presidente da AGNU indica cinco facilitadores para a reforma do CSNU.

Mar/2006: Grupo “Small 5” (Cingapura, Jordânia, Costa Rica, Liechtenstein e Suíça) apresenta o projeto de resolução A/60/L.49, que prevê apenas reformas nos métodos de trabalho do CSNU.

Jan/2006: São reapresentados os projetos de resolução da UA e do G-4 (sem o apoio do Japão).

Set/2005: Cúpula Mundial de Alto Nível de 2005 pede reforma tempestiva do CSNU.

Ago/2005: Cúpula extraordinária da UA, em Adis Abeba, não endossa o acordo de Londres e estabelece o Comitê dos 10 Chefes de Estado e de Governo para a promoção da posição comum africana (C-10).

Jul/2005: Em Londres, reunião ministerial do G-4 com representantes da UA chega a acordo tentativo sobre proposta conjunta de reforma do CSNU, segundo o qual a África flexibilizaria sua posição acerca do veto e o G-4 aceitaria a criação de um assento não-permanente a mais do que o previsto no projeto de resolução A/59/L.64. O novo assento seria compartilhado entre África, Ásia e América Latina e Caribe.

Jul/2005: Grupo "Uniting for Consensus", novo nome do "Coffee Club", apresenta o projeto de resolução A/59/L.68, com a criação de dez novos assentos não-permanentes.

Jul/2005: União Africana apresenta o projeto de resolução A/59/L.67, semelhante ao do G-4, mas com mais um assento não-permanente e a extensão do veto aos novos membros permanentes.

Jul/2005: G-4 apresenta o projeto de resolução A/59/L.64 (6 novos assentos permanentes e 4 novos assentos não-permanentes, sem uso de veto até conferência de revisão em 15 anos).

Mar/2005: Firmada posição comum africana sobre a reforma (“Consenso de Ezulwini”), que pede a expansão do Conselho nas duas categorias de membros, com a extensão do veto aos novos membros permanentes.

Mar/2005: Relatório do SGNU endossa propostas do relatório do Painel de Alto Nível; adverte que falta de consenso não deve ser usado para justificar inação.

Dez/2004: Relatório do Painel de Alto Nível apresenta duas propostas de reforma do CSNU: o modelo A propõe 6 novos assentos permanentes sem direito a veto e 3 novos não-permanentes; o modelo B prevê 8 assentos em nova categoria de membros (com mandato de quatro anos renováveis) e mais um membro na atual categoria não-permanente.

Set/2004: Chefes de Estado e Governo de Brasil, Alemanha, Índia e Japão criam o G-4, com o propósito de promover a reforma do CSNU mediante a expansão em ambas as categorias de membros.

 Set/2003: SGNU convoca “Painel de Alto Nível Sobre Ameaças, Desafios e Mudança”, composto de 16 personalidades eminentes, inclusive o Embaixador João Clemente Baena Soares.


Acesso à informação

logo-gov-brasil